AVC: Causas, sinais e tratamentos

AVC é a segunda principal causa de morte no mundo em indivíduos acima de 60 anos e a quinta maior causa entre 15 e 59 anos, de acordo com a OMS.

No Brasil, o Ministério da Saúde aponta o derrame cerebral como a enfermidade que mais mata, superando o câncer e o infarto.

Segundo o neurocirurgião Feres Chaddad Neto, o AVC pode ser decorrente de lesões cerebrais relacionadas a patologias que acometem artérias e veias. “De forma geral, podemos dividir os AVCs em dois subtipos: o hemorrágico e o isquêmico.

O AVC hemorrágico ficou popularmente conhecido como derrame, porque ocorre um extravasamento de sangue para o parênquima cerebral. No entanto, esse termo não é reconhecido na terminologia médica. O isquêmico é o decorrente da obstrução de uma artéria, gerando um infarto na região irrigada por ela.”

Feres Chaddad Neto explica que, no caso do AVC isquêmico, os sintomas frequentes são perda repentina da força muscular e da visão; dormência ou formigamento no rosto, braço ou perna; dificuldade para se comunicar e compreender (a fala fica arrastada, por exemplo); tontura e alteração da memória.

No caso do AVC hemorrágico, o principal sintoma é dor de cabeça aguda e repentina. Mas há também aumento da pressão intracraniana com perda da consciência; náuseas e vômitos; e déficits neurológicos, semelhantes aos provocados pelo acidente vascular isquêmico.

De acordo com o neurocirurgião, os fatores de risco são praticamente os mesmos que provocam o infarto no coração: hipertensão arterial (pressão alta); colesterol elevado; fumo; diabetes; histórico familiar; ingestão de álcool; vida sedentária; excesso de peso; e estresse.

Para se prevenir do derrame cerebral, Feres Chaddad Neto indica o O AVC pode ser prevenido com o controle do tabagismo, da hipertensão, das dislipidemias (ou seja, alterações do metabolismo que geram aumento do colesterol total e do ruim, diminuição do colesterol bom e aumento das triglicérides) e com a realização de atividades esportivas.

No entanto, doenças específicas como os aneurismas intracranianos devem ser pesquisados nos familiares de pacientes que tenham uma história da doença envolvendo parentes de primeiro grau.

“Quando a pessoa sente uma forte dor de cabeça, diferente de tudo o que já sentiu, deve ir rapidamente para o hospital. O socorro tem de ser imediato. Quanto mais tempo leva para ser atendido, maior as chances de morte e sequelas. Por isso, o fator resgate é o que define a melhora ou piora desse paciente”, alerta o médico.

Confira a seguir algumas dúvidas pontuais esclarecidas pelo neurocirurgião.

O aneurisma cerebral é um AVC?

O aneurisma é como um balão, uma bexiga de aniversário, que aparece numa artéria do cérebro. Cerca de 5% da população tem aneurisma cerebral, mas a maioria vai viver normalmente sem sequer saber de sua existência. Os sintomas só aparecem quando há rompimento dos vasos, gerando hemorragia cerebral, que é um AVC hemorrágico. A parede do aneurisma é mais frágil do que a parede do vaso normal e tem mais chance de romper. Esse rompimento ocorre por causa de fatores que aumentam agudamente a pressão arterial, como hipertensão, o fumo e o histórico familiar.

O uso de medicamentos pode aumentar a chance de um derrame cerebral?

A utilização de certo medicamento, como o Viagra pode aumentar as chances de se ter um AVC, pois seu efeito é aumentar agudamente a pressão para que haja ereção. E é justamente esse aumento de pressão que leva ao rompimento do aneurisma ou ao infarto do miocárdio. Por isso, os homens que precisam tomar Viagra devem fazer angiotomografia e angiorressonância para saber se está tudo bem, se não têm um aneurisma, pois se souber antes não vão morrer no ato. A prevenção é tudo.

Há riscos de AVC durante a prática esportiva?

Que esporte e saúde são aliados, todos sabem. Mas há casos em que a prática esportiva pode até ser fatal. Não é incomum a ocorrência de AVCs durante partidas e exercícios físicos. Durante a prática esportiva, há picos de pressão. Caso a pessoa tenha um aneurisma, correrá mais chances de que ele se rompa, gerando uma hemorragia cerebral. Para que isso seja evitado é fundamental que profissionais do esporte, treinadores, diretores e presidentes de clube, bem como qualquer pessoa que pratique esporte, realizem exames preventivos para que possam continuar suas atividades físicas.

Qual o risco de AVC entre os jovens?

O risco de acidentes vasculares cerebrais em jovens é bastante grande, pois, diferentemente de pessoas mais velhas, ainda não desenvolveram plenamente a circulação colateral. Um jovem pode ter um bom fluxo sanguíneo, uma circulação adequada, mas pode não ter uma circulação colateral desenvolvida, que são vias alternativas para a chegada do sangue ao cérebro. Assim como um rio vai criando caminhos quando encontra barreiras, também no ser humano o sistema circulatório vai buscando canais opcionais de fluxo sanguíneo quando há obstrução por placas de gordura, por exemplo. Nas pessoas mais velhas, há a circulação colateral, que ainda não foi desenvolvida no jovem, mesmo que este pratique esporte.

Sobre o neurocirurgião

Feres Chaddad Neto é graduado em Medicina pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas, com residência em Neurocirurgia pela mesma universidade. Fez especialização (fellowship) em Microcirurgia Vascular e para Tumor pelo Instituto de Ciências Neurológicas, mestrado e doutorado em Neurologia pela Universidade de Campinas (Unicamp), fellowship em Anatomia Microcirúrgica na Universidade da Flórida (EUA). Atualmente é professor adjunto de Neurocirurgia da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), onde é chefe da Neurocirurgia Vascular. É neurocirurgião em diversos hospitais no Brasil e no exterior.

Facebook Comments