Parto normal ou cesárea? Eis a questão

Spread the love
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    25.4K
    Shares


Parto normal ou Cesárea? Pois é, decidir entre parto normal e cesariana é uma das questões mais relevantes durante a gravidez.

Segundo dados do Ministério da Saúde de 2016 apontam que 55% dos procedimentos realizados no país são cesáreas, número que cresceu 40% em 15 anos.

Medo da dor, falta de informação para a gestante, carência de leitos e de profissionais nos hospitais e maternidades e baixa remuneração dos médicos são algumas razões para esse amumento.

“A preferência da cesariana se deve a uma conjuntura de fatores que se interpõe durante o período gestacional desde medo pelo desconhecido, passando por experiências desagradáveis de parentes e culminando com a influência do meio social em que vive”, analisa o médico Carlos Alberto Politano, coordenador dos Representantes Credenciados da Associação de Obstetrícia e Ginecologia do Estado de São Paulo (SOGESP), ressalta que é essencial a participação ativa da parturiente no pré-natal, no parto e no pós-parto.

Segundo Politano, o importante é pensar no bem estar da mãe e do bebê. “É inaceitável uma complicação por uma cesariana inadequadamente indicada, assim como um parto extremamente demorado e nascimento de uma criança com sequelas futuras. Precisamos urgentemente derrubar esse muro em que de um lado estão os médicos que acham que a cesariana é sempre a melhor via de parto e do outro os colegas que vão ao extremo para fazer um parto normal, ou seja, via vaginal”, afirma o médico.

Parto normal ou cesárea?

Para as mulheres que precisam escolher o tipo de parto, o tocoginecologista faz uma advertência quanto ao que pode ajudar na hora do nascimento do bebê.

“É muito simples: pré-natal realizado de forma adequada responde a todas as perguntas. Quando a mulher chega ao consultório com um teste positivo de gravidez, ela tem uma quantidade imensa de dúvidas. Nesse momento, começa a se definir a via de parto. O acolhimento a essa paciente é a chave de tudo, ali se inicia uma empatia entre médico e gestante, que tem de sair dessa consulta com suas dúvidas dirimidas e confiante de que a escolha do médico que vai acompanhar a gestação, parto e puerpério foi a correta”, acrescenta Carlos Alberto Politano.

O ideal mesmo é a mulher perguntar ao médico que se ele faz parto normal ou só cesariana. É preciso discutir todas as possibilidades de ambos de forma clara, de tal modo que a decisão, que é sempre direito da paciente, se superponha ao ideal para aquela gestação.

Importante nesse momento é informar que intercorrências gestacionais podem definir a via de parto para a segurança de ambos.

“Não existe mais espaço na obstetrícia moderna para, durante o trabalho de parto, a mulher ficar deitada sem se movimentar. Ela naturalmente se adequa a posições mais confortáveis. É interessante mudar a posição, caminhar, se exercitar durante o trabalho de parto. Na hora do nascimento, a posição vertical pode ser escolhida pela mulher, de tal forma que se sinta mais confortável e com facilidade para em empurrar o bebê”, finaliza Carlos Alberto Politano.

Leia mais em nossa Editoria Saúde


Spread the love
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
    25.4K
    Shares
  •  
    25.4K
    Shares
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe um comentário (Vamos adorar!)

Facebook Comments