Plano de Requalificação da Avenida Santo Amaro, na Vila Nova Conceição

Compartilhe com amor para seus amigos!

A Avenida Santo Amaro está inserida em um dos eixos de Estruturação da Transformação Urbana definidos no Plano Diretor estratégico do Município de São Paulo, que são áreas prioritárias para o crescimento da cidade. O projeto foi desenvolvido em parceria entre SP Urbanismo, SP Transportes e SP Obras.

A requalificação da Avenida Santo Amaro consiste em um plano de melhoramentos públicos aprovados pela Lei 14.193/2006. Foi incorporado ao programa de investimentos da Operação Urbana Consorciada Faria Lima, através da Lei 16.242/2015, sendo possível a captação de recursos oriundos da venda de CAPACs para sua implantação.

Os projetos básicos foram elaborados pela SPtrans e os projetos executivos e obras licitadas pela SIURB/SPObras em 2015. O contrato foi assinado em maio de 2016 com ordem de serviço para elaboração dos projetos estudos ambientais

Estão previstas alterações no trecho entre as Avenidas Juscelino Kubitschek e Bandeirantes, abrangendo a Vila Nova Conceição, com largura variável entre 25 e 36 cm e extensão estimada entre 2,4 km (dos 7,4 km totais da Avenida).

requalificacao-avenida-santo-amaro-vila-nova-conceicao
Ilustração retirada do site da prefeitura. (gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br)

As premissas do projeto consideram o importante papel da Avenida Santo Amaro na rede estrutural de transportes da cidade, sendo um eixo fundamental para a mobilidade da zona sul de São Paulo.

No Plano Diretor Estratégico de São Paulo (PDE – Lei 16.050/14), os corredores de ônibus fazem parte dos chamados Eixos de Estruturação da Transformação Urbana, áreas que apresentam características e diretrizes semelhantes e que são prioritárias para o crescimento da cidade.

Nestas áreas, serão promovidas mudanças de padrões construtivos e de estruturação urbana, com o objetivo de ampliar o direito da população à cidade e reequilibrar a distribuição entre moradia e emprego, além de reduzir a necessidade de longos deslocamentos diários

Vila Nova Conceição durante as obras

Neste finalzinho de julho e início de agosto foi realizada nova reunião aqui no bairro, desta vez com os representantes de escolas da Vila Nova Conceição, para, não só, apresentar detalhes da execução do projeto como também, trocar informações sobre as necessidades de cada instituição. O intuito é minimizar transtornos para as famílias que deixam os filhos na escola. Também esteve em pauta a questão segurança.

Estiveram no encontro o Vereador Police Neto; Giovani Costa, diretor técnico da SPObras; Érico Zamboni da CET; Floriano Pesaro, enquanto presidente da associação de moradores do bairro e Reinaldo Marins, gerente de contrato do consórcio Souza Compec Coplan.

O encontro aconteceu no Colégio Lourenço Castanho, da Rua Bueno Brandão.

Início das obras

A ordem de serviço deve ser emitida em agosto de 2019 para que comece a adequação de fachadas e demolição dos imóveis.

Ilustração retirada do site da prefeitura (gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br)

Em setembro devem ter início às obras de interdição na Avenida Santo Amaro, com implantação do desvio do tráfego.

A obra terá um impacto significativo no dia a dia da população, tanto de quem é morador quanto de quem frequenta o bairro seja para trabalhar, trazer os filhos para os colégios que o bairro posseia ou simplesmente para realizar serviços ou aproveitar os bons restaurantes da Vila Nova Conceição.

Acesso à Vila Nova Conceição

Essa é uma grande obra que envolve muitas frentes como SPTrans, CET, Prefeitura, Sabesp, Enel, Consórcio da obra, empresas de telecomunicações, empresas de gás. As escavações terão cerca de 3 metros de profundidade.

O acesso aos imóveis da região será permitido através de passadiças e de plataformas metálicas

“Esse projeto vem sendo discutido desde 2015. Foi então que foi desenvolvida a Operação Urbana, pela SP urbanismo, com o objetivo de fazer a requalificação e a reurbanização desse trecho da Santo Amaro que foi muito deteriorado em função dos corredores de ônibus”, explica Giovani Costa, Diretor Técnico da SPObras.

A ideia é fazer uma recuperação do corredor, ampliando de forma significativa as calçadas, para permitir a mobilidade a pé e melhorar a qualidade de circulação.

Melhorias que serão feitas

Todas as redes, hoje aérea, como as de telecomunicações e as de energia, serão enterradas no passeio.

Estão previstas alterações no trecho entre as Avenidas Juscelino Kubitschek e Bandeirantes, com largura variável entre 25 e 36 cm e extensão estimada entre 2,4 kms. Esses kms serão acessíveis com tampas e piso podo tátil.

As calçadas foram organizadas em fluxos e setores definidos. Serão dois setores, uma faixa de serviço de 1,20m e uma faixa livre de circulação com no mínimo 1,20m.

Na faixa de serviço estarão localizadas as árvores, as rampas de acesso dos veículos aos lotes, as tampas de inspeção de redes, postes de iluminação, sinalização, elementos verticais diversos (como caixas de telefonia), papeleiras e paraciclos. Também neste alinhamento estarão as rampas para acessibilidade nas travessias.

A rede cicloviária será desenvolvida pelas vias coletoras e locais dos bairros, com três travessias ao longo deste trecho da Avenida Santo Amaro. De acordo com o projeto a implantação da malha cicloviária vai permitir a interligação de equipamentos, espaços públicos, parques, escolas, áreas residenciais e de serviços.

A iluminação será com led. Terá modernização da rede da Sabesp, da Enel. As paradas de ônibus serão mais largas.

Além do enterramento dos cabos aéreos, serão implantadas novas redes água e esgoto, gás e galerias de drenagem.

O orçamento total do empreendimento é de R$ 356 mi.

Ilustração retirada do site da prefeitura de São Paulo (gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br)

Arborização e Paisagismo

Cada lado da Avenida Santo Amaro deve ter um corredor arbóreo. São propostas árvores de grande e médio porte, nas praças e ainda no canteiro central. A escolha das espécies foi feita de forma a permitir floração o ano todo, de diversas cores. Além das árvores, nos canteiros centrais em áreas sem passagem de pedestres, serão também plantadas espécies arbustivas.

Ilustração retirada do projeto do site da prefeitura de São Paulo (gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br)

Intervenções

1 – Ampliação das calçadas e enterramento da rede aérea.
2 – Pavimentação de via de dos espaços públicos
3 – Melhorias na infraestrutura de transporte coletivo, drenagem urbana.
4 – Mobiliário urbano
5 – Paisagismo
6 – Iluminação pública
7 – Sinalização acessibilidade.

A intervenção será dividida em etapas:

Fase 1 – Começa na Avenida Juscelino Kubitschek, sentido Bandeirantes, e vai até a Rua Afonso Braz. Com previsão de obras até novembro de 2020.

Fase 2 – Vai da Rua Afonso Braz até a Avenida dos Bandeirantes. Com previsão de término em novembro de 2021.

Meio Ambiente – Programa de minimização de impacto

Estão previstos no período de obras os seguintes programas e subprogramas socioambientais, com a finalidade de prevenir, reduzir e mitigar impactos ambientais na área a ser trabalhada.

1 – Programa de comunicação social (equipe permanente para atendimento no canteiro de obras e canal via WhatsApp, entre outros).

2 – Programa de Gestão Ambiental

3 – Programa de Supervisão e controle ambiental das obras (inclui gestão de ruídos e efluentes e monitoramento e controle de emissões atmosféricas de resíduos e vibrações, controle de vetores e fauna sinantrópica).

4 – Programa de manejo arbóreo (controle de supressão de vegetação / monitoramento de avifauna).

5 – Programa de Educação ambiental ( inclui capacitação ambiental dos trabalhadores).

6 – Programa de acompanhamento de desapropriação e indenizações.

7 – Programa de gestão de áreas contaminadas.

8 – Programa de controle de tráfego.

Esse programa está a cargo do Consórcio Souza Compec Coplan que irá implantar as ações.

Serão cuidadas as áreas onde eram postos de combustíveis para fazer a destinação adequada dos materiais a serem retirados e o reaproveitamento, dentro do possível dos materiais, para racionalizar a questão de desperdício.

Ilustração retirada do projeto do site da prefeitura de São Paulo (gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br)

Desapropriações

As ações de desapropriações foram ajuizadas em 2016 e suspensas juntamente com o contrato. Foram retomadas em 2018, com depósito de complementações das indenizações para obtenção das imissões na posse do trecho 1 no primeiro semestre de 2019. Sendo o seguinte andamento atual:

120 ações
10 com IP
35 com MIP

Plano de Ataque – como será feita a obra

As obras serão executadas em várias frentes concomitantes. Terá início pelas demolições e adequações de imóveis desapropriados, abertura de valas e execução de redes subterrâneas e pavimentos rígidos.

Por último, e após a remoção dos postes serão concluídos os passeios e pavimentos flexíveis. Vai permanecer o fluxo de ônibus e acesso local de veículos.

O restante dos veículos será remanejado para um desvio grande. A circulação de pedestres vai ser permitida para acessar os ônibus.

Alterações vão sendo feitas ao logo da obra para permitir o avanço nas outras frentes.

Tráfego – Ocupação da via

A Avenida Santo Amaro, nesse trecho, ficará apenas com uma faixa, de 3 metros e meio, por sentido.

Vale ressaltar que essa faixa ainda terá interferências e interdições totais, momentâneas para passagens e manobras de caminhões da obra, além de paradas dos ônibus para embarque e desembarque de passageiros.

Desvios

No sentido centro-bairro, o motorista vai descer a Avenida Juscelino Kubitschek, a esquerda fará a conversão na Rua Atílio Inocente, seguindo pela Rua Fiandeiras até voltar para a Avenida Santo Amaro.

No sentido bairro-centro, o motorista deverá seguir pala Avenida Hélio Pellegrino, acessar a Avenida República do Líbano, e em seguida a Avenida Brasil.

Esse será o desvio planejado pela CET, mas o motorista que puder, deve evitar essa região porque o transtorno no trânsito deve ser grande.

O fluxo interno do bairro deve diminuir, até porque vai ficar bem complicado de acessar a Vila Nova Conceição.

Corredor de ônibus da Santo Amaro

Implantado em 1985, atualmente ele é um dos primeiros corredores de ônibus de São Paulo a serem construídos. Quem frequenta a região, consegue perceber na prática que esse corredor acabou se transformando em uma avenida com grande fluxo de pessoas e veículos.

O local tem passeios estreitos, em alguns pontos, inclusive, insuficientes para a passagem de pedestres, além de conter um intenso tráfego de ônibus e consequente poluição sonora e atmosférica que comprometeram a qualidade urbana da avenida.

Apesar de atravessar regiões extremamente valorizadas da cidade, a avenida apresenta em seu traçado uma grande quantidade de imóveis deteriorados, que de acordo com dados da prefeitura estão sem adesões significativas à Operação Urbana Consorciada Faria Lima.

Ilustração retirada do projeto do site da prefeitura de São Paulo (gestaourbana.prefeitura.sp.gov.br)

Mais informações: Prefeitura de São Paulo


Compartilhe com amor para seus amigos!

Deixe um comentário (Vamos adorar!)